23.6.20

Concurso "Uma Aventura Literária 2020" - Menção Honrosa para Diana Barreto

Ao texto "O misterioso armário", de Diana Barreto foi atribuída Menção Honrosa no concurso "Uma Aventura Literária 2020", promovido pela Editorial Caminho, na modalidade "Texto Original".
Muitos parabéns, Diana, pela tua capacidade de trabalho ao longo destes anos que tive o prazer de ter a tua participação na Oficina da Escrita. Espero que continues o teu percurso de sucesso.



Deliciem-se com as palavras e a criatividade reveladas pela Diana no seu texto

  "O misterioso armário".

 Tudo começou num dia que estava na Oficina da Escrita da minha escola perante uma folha de papel branco e caneta na mão. O desafio era escrever um texto original para participar no concurso “Uma Aventura Literária”. A professora sugeriu que escrevêssemos sobre algum episódio do dia a dia, mas com pinceladas de imaginação, de criatividade e de fantasia.
Só tinha cinquenta minutos para o fazer. Tinha de ma apressar, contudo, por muito que me esforçasse, nada me surgia na cabeça. Dei por mim a olhar para o relógio a ver os ponteiros a girar enquanto esperava que alguma ideia aparecesse. A professora, ao notar a minha falta de criatividade, abandonou a sala para “trazer inspiração”.
Estava, então, sozinha sem nada nem ninguém ao meu redor. A minha ausência de ideias deve ter afetado o meu cérebro, pois comecei a ouvir passos naquela sala solitária. Olhei para um lado…olhei para o outro, mas, naturalmente, nada vi. Ri para mim mesma até ouvir a porta do armário a abrir-se e a sair de lá um homem velho, barbudo e com ar sábio. Ele perguntou-me se eu estava sem criatividade e eu, surpreendida, acenei afirmativamente com a cabeça. Ao ver esta minha resposta, convidou-me para entrar no armário. Esquecendo-me que estava na Oficina, aceitei entrar com ele.
Lá dentro, incrivelmente, havia um mundo cheio de cores, aromas, paisagens e pessoas. O amarelo de um sol radioso brilhava num azul limpo do céu; o campo verde de relva estava pintalgado com flores brancas e amarelas que eram beijadas por borboletas arroxeadas, rosadas e alaranjadas; junto à relva, passava um ribeiro de água cristalina, onde saltavam peixes vermelhos. Quanto aos aromas, o perfume da alfazema misturava-se com o da glicínia, do jasmim-do-imperador, do jasmim-estrela e o da terra molhada. De um lado escutava “Buzzz…Buzzz”, mais adiante “Coach…coach”, junto ao ribeiro, “Quac…quac” e mesmo perto de mim “cricri…cricri”. Até as pessoas, cada uma com as suas características, umas alegres, outras sisudas; umas com andar pausado, outras apressadas; umas solitárias, outras rodeadas de amigos…
Fiquei encantada a contemplar a diversidade de energias existentes dentro do armário. Apressei-me a anotar tudo no bloco que a professora nos tinha oferecido no início do ano para registarmos ideias, escrevermos listas de palavras do que víamos, ouvíamos ou sentíamos.
Porém, o senhor não me deixou ficar naquele sítio muito tempo. Em vez disso, conduziu-me para uma árvore de folhas amarelas, tronco e ramos grossos. Com agilidade, trepou-a até um dos ramos mais alto. Quando reparou que eu não estava junto dele, convidou-me a segui-lo. Fiquei a olhar para ele hesitante, mas ele lançou uma corda forte para que eu não estivesse tão receosa na subida. Agarrei nela e subi à árvore mais facilmente do que imaginara.
Assim que o alcancei, sentei-me à sua frente. O velho senhor estendeu-me uma das folhas da árvore. Depois pediu-me que eu a amachucasse e a agarrasse com as duas mãos. Ao fazê-lo, uma imensidão de ideias e imagens surgiram na minha cabeça. A cada segundo, surgiam mais e mais e todas elas ficavam guardadas na minha memória.
Não sei ao certo durante quanto tempo ali fiquei sentada à frente de um sábio no cimo de uma árvore. Só sei que, quando recuperei a noção do tempo e do espaço, estava sentada na sala da Oficina da Escrita a olhar para o armário.
Poucos segundos depois, entrou a professora carregada de livros:
- Diana, trouxe alguns livros bastante sugestivos. Se quiseres, esta semana pode ser de leitura e na próxima escreves, então, o texto. Que te parece?
- Não é preciso, professora!

21.6.20

Os azulejos da T7 da EB São Domingos

Na disciplina de Oferta Complementar, os alunos do 4º ano da turma 7 da EB de São Domingos realizaram um trabalho de pesquisa intitulado "A Azulejaria em Santarém", como já tinha sido divulgado neste blogue.
Além da pesquisa, cada aluno pintou um azulejo, seguindo rigorosamente as várias etapas até ao trabalho final, orientados pela docente Catarina Godinho, docente de Educação Visual na Escola Alexandre Herculano, a quem mais uma vez agradecemos a sua disponibilidade e o seu profissionalismo em todos os desafios que lhe são colocados.
Atendendo à situação epidemiológica que o país atravessa e ao encerramento das escolas não foi possível concluir o projeto tal como estava previsto.
Entretanto, a professora Catarina já cozeu os azulejos...
Estas são as fotografias dos azulejos já cozidos....uma primeira experiência em pintura de azulejos...está fantástico!
Muitos parabéns!

























Com eles podemos fazer bonitos painéis para serem colocados na Escola de São Domingos.

























15.6.20

Wakelet - Biblioteca

A Biblioteca disponibiliza um conjunto de recursos agrupados por temáticas. Esta plataforma de recursos continuará em construção, pelo que estará em constante atualização.


3.6.20

Vamos organizar as letras e formar palavras

O objetivo deste jogo é organizar as letras e formar palavras.


Como se escreve?

Mais um jogo para descobrir qual a palavra escrita corretamente, sendo uma forma de memorização de palavras com "x".
Mais um formato de jogo construído com o recurso interativo Wordwall.

À descoberta dos Antónimos

Jogo de descoberta de antónimos, construído com a ferramenta digital Wordwall.

À descoberta dos Sinónimos

Jogo de descoberta de sinónimos, construído com a ferramenta digital Wordwall.

Uma história por dia não sabe o bem que lhe fazia

2.6.20

À descoberta do património

Na  disciplina de Oferta Complementar, os alunos da turma do 4º ano da Escola Básica de Combatentes realizaram várias visitas ao Centro Histórico de Santarém com o objetivo de identificarem os vários tipos de património existente. De seguida, foi escolhido o património imaterial, mais especificamente os "Ofícios Tradicionais" para conhecerem mais pormenorizadamente. Daí terem entrevistado o Artesão Paulo Batista no seu local de trabalho. Posteriormente, acedendo a um convite da turma, deslocou-se à Escola de Combatentes, onde orientou os alunos na construção de um barrete de campino com papel. Estava, também, prevista a construção de um campino a partir de um pau de espetada, contudo, atendendo ao encerramento das escolas, tal não foi possível. Um outro artesão que se disponibilizou a colaborar, foi o Senhor Manuel Ferreira.
Revelou-se um projeto que gerou grande entusiasmo dos alunos, apesar de ter ficado incompleto.
Agradecemos a preciosa colaboração dos dois artesãos, em especial do Senhor Paulo Batista.

1.6.20

Salina Online - Teatro Nacional D. Maria II

O Teatro Nacional D. Maria II disponibiliza um espaço totalmente online e gratuito, composto por vídeos com leituras de histórias e contos infantis.




O Patinho Feio

Eu perdi o dó da minha viola

O Mar e o Caracol, de António Torrado

Quem dá Asas às Palavras

Hoje, dia 1 de junho, pelas 16 horas e 30 minutos, Luísa Ducla Soares e Daniel Completo vão apresentar o seu livro Quem dá Asas às Palavras online. A versão impressa é ilustrada por João Vaz de Carvalho. Esta iniciativa assinala os 50 anos de vida literária de Luísa Ducla Soares.
A apresentação vai ser em direto daqui.