3.3.17

Recordando Manuel Maria Barbosa du Bocage...

Nascemos para Amar

Imagem retirada do site Wikimedia Commons

Nascemos para amar; a Humanidade

Vai, tarde ou cedo, aos laços da ternura.
Tu és doce atractivo, ó Formosura,
Que encanta, que seduz, que persuade.

Enleia-se por gosto a liberdade;
E depois que a paixão na alma se apura,
Alguns então lhe chamam desventura,
Chamam-lhe alguns então felicidade.

Qual se abisma nas lôbregas tristezas,
Qual em suaves júbilos discorre,
Com esperanças mil na ideia acesas.

Amor ou desfalece, ou pára, ou corre:
E, segundo as diversas naturezas,
Um porfia, este esquece, aquele morre.

Bocage, in 'Sonetos'
Imagem retirada do site Ensina RTP onde se pode obter mais informações sobre este poeta


Quanto ao jovem poeta,  é o André Santos com o poema "O perigo".

O perigo

O perigo 
é feito de maldade
está comigo e contigo
corta os laços de amizade.

O perigo está em todo o lado.
Está aqui e ali.
Se o vires não fique calado
foge porque está ao pé de ti.

O perigo é veloz
é o contrário de segurança.
Ele está entre nós
e vai fazer vingança.

O perigo é assustador
muitos não lhe resistem
ele é destruidor
para aqueles que o assistem.
                          André Santos
                    EB de São Domingos

Sem comentários:

Publicar um comentário